Câmara analisa orçamento municipal de 2021

por Tania Maria Garabini publicado 29/12/2020 10h44, última modificação 29/12/2020 10h44
Serão R$ 132,2 milhões para a administração gastar em obras e serviços

Está em análise até o dia 30 de dezembro, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LOA) de 2021 com receita total de R$ 132,2 milhões. Já na leitura da LOA foram apresentadas emendas parlamentares e definido que a primeira discussão das propostas e dos valores aconteceria no dia 28, em sessão extraordinária na parte da manhã.

O vereador Maicon Pimentel em sua fala classificou de audacioso o envio do orçamento plurianual para a Câmara votar. “De um governo que arrecadou R$ 480 milhões em um mandato. Discordo completamente, porque não temos uma obra realizada na cidade, nenhuma infraestrutura, nem saneamento básico e novamente vem pedir remanejamento”. Lembrou ele, que anteriormente o governo havia solicitado remanejamento de 50% para manuseio do orçamento e também suplementação, pedidos que foram negados pelos vereadores.

Criticou o envio da mensagem nos últimos dias do ano para análise dos vereadores, quando deveria ser entregue até dia 30 de setembro. “Além disso, nessa mensagem pede um remanejamento de 60% do orçamento. Eu daria até os 100%, mas volto a afirmar meu compromisso de zelar pela população. Não vou dar aval a um governo que já mostrou que não fez nada para o povo, não merece um cheque em branco”.

Luciano Sardinha (Deuty) cumprimentou os novos vereadores que fizeram visita à Casa, bem como ao advogado Bráulio e o pastor Jackson – este secretário parlamentar - conseguimos enquadrar no orçamento as emendas para 2021. “ A competência dessas duas pessoas não conseguiríamos incluir essas emendas em favor da população. Ano passado, em momento nenhum eles fizeram suplementação orçamentária do aumento dos royalties, do ICMS, das verbas parlamentares. Eles não respeitaram essa Casa. E agora mandam pedindo 60% de remanejamento”. A parte do assunto lamentou a morte do médico José de Castro, eleito prefeito de Conceição de Macabu. “Que Jesus possa confortar os familiares”.

Agradeceu ao vice-prefeito de Quissamã, Marcelo de Souza Batista porque a cidade está atendendo os moradores de Carapebus, que estão com Coronavírus. Por fim, salientou que moradores da cidade estão com problemas de abastecimento de água, citando o bairro de Ubás. E lembrou que, haverá uma crise de abastecimento hídrico.

O atual presidente da Câmara, Anselmo Prata salientou que o orçamento chegou com dois meses de atraso para se fazer análise e propor a votação. Ele se mostrou preocupado com o descumprimento das emendas parlamentares pela prefeita. “Estamos num quadro muito pior. Provavelmente a partir de janeiro deve dar continuidade e não teremos a maioria para derrubar os vetos que virão da prefeitura”. Isso é sustentado com os sete vereadores que formam a base do governo.

“Mesmo com nossas ações transparentes, como a Câmara Itinerante os vereadores formularam as emendas parlamentares que se destinam a atender às necessidades da população. Eu não acredito que nesse próximo ano, essas emendas serão respeitadas e não derrubadas atendendo os interesses da prefeitura”, detalhou Anselmo Prata.