Câmara entrará na Justiça contra uso indevido de verba do CarapebusPrev

por Tania Maria Garabini publicado 20/07/2020 15h20, última modificação 20/07/2020 15h20
Anselmo quer evitar que o rombo do instituto não prejudique a aposentadoria

O presidente da Câmara, Anselmo Prata fez um agradecimento especial a justiça de Quissamã e a juíza Priscila Macuco Ferreira por ter entendido e amenizado o sofrimento dos servidores que estavam com seus salários atrasados há dois meses e ainda tem servidor sem o mês de junho. “Mas isso muito nos alegra nesse momento a justiça com essa ordem e isso é para ser cumprida. E esperamos que todas as vezes que dependermos da justiça para socorrer a população de Carapebus, ao servidor público a gente encontre realmente respaldo na Justiça”.

Ele espera que o pagamento efetuado não tenha sido com dinheiro desviado de outros recursos com destinação feita. “Que não tenham descoberto um santo para cobrir outro”.

Anselmo questionou se pode entrar com mandado na Justiça pelos servidores contratados que estão com salários atrasados há três meses. “Sabemos que 50% desses assessores não trabalham. É justo que aqueles que realmente trabalham recebam primeiro. Eles deram seu sangue, principalmente os da Saúde, da Guarda Municipal, Serviço Público, os professores, que estão se doando dentro de suas casas.

Lembrou também do CarapebusPrev que já está com mais de R$ 4 milhões em atraso. Devido a boatos de que o poder Executivo iria utilizar os R$ 12 milhões de caixa do instituto para pagar salários atrasados, o presidente Anselmo Prata determinou que, o jurídico da Câmara entre com mandado de segurança preventivo impedindo a utilização do fundo de forma indevida.

Agradeceu também pela colocação de iluminação pública em alguns bairros e espera que o atendimento se estenda para a colocação de carro pipa na cidade. “Esperamos que o poder público atenda os pedidos nesses últimos minutos e amenizar o sofrimento dessas pessoas”.

Informou que todas as terças-feiras haverá sessão já que não houve voto suficiente para suspender o recesso. A medida adotada pela presidência permite que a população possa ser atendida pela Câmara que deu continuidade em suas atividades mesmo no período de pandemia.