Anselmo critica ação governamental contra servidor e população

por Tania Maria Garabini publicado 07/06/2020 11h09, última modificação 07/06/2020 11h09
Para ele, o abandono administrativo levará cidade ao caos

“Continuamos na mesma situação calamitosa que se encontra o servidor público, com salários atrasados, defasados, principalmente os da saúde, contratados, terceirizados que estão de frente com essa pandemia. E chegamos ao caos e ter que fechar a nossa UTI”. Lamentou profundamente porque na quarta-feira uma paciente veio a falecer depois de procurar esse atendimento e não encontrou aberto o local. “Porque porque a mesma estava fechada por falta de pessoal e de pagamento”.

Classificou de desumano e responsabilidade a administração municipal que está colocando pessoas com mais de 60 anos trabalhando e os expondo ao risco de contrair o Coronavírus, como foi o caso do servidor Gegê, que faleceu esta semana vítima do vírus. Ele trabalhava na secretaria de Serviços Públicos. Anselmo lamentou que as famílias continuam desassistidas pela prefeitura.

CarapebusPrev

Considerou critica a situação do atraso no repasse do dinheiro ao CarapebusPrev, cuja dívida trabalhista do município para com o instituto ultrapassa a R$ 3,5 milhões. Detalhou que nos anos do atual governo, os cofres municipais receberam mais de R$ 350 milhões e nenhuma obra foi feita com esse montante. “A única coisa que feita foi dar emprego, centenas de assessorias para pessoas que não trabalham, para negociada e conchavos políticos, para que esse governo possa se perpetuar, lesando os cofres públicos, matando nossos pacientes por falta de atenção, de atendimento à saúde”. Para ele, o governo está lesando os cofres públicos e os servidores já que o dinheiro não está sendo depositado para o pagamento de suas aposentadorias. “Desvios constantes e ainda tem gente querendo defender esse governo com unhas e dentes”.

Hoje o instituto possui R$ 11 milhões em caixa. “O que não pode acontecer é descontar do servidor e se apropriar o recurso dele. Ser o CarapebusPrev criado há dois anos já tem um déficit de R$ 3,5 milhões. Em média, ela teria que repassar R$ 500 mil. Se falta sete meses para acabar o governo, ela não vai repassar juntando com esses R$ 3,5 milhões e o parcelamento, a dívida vai chegar aos R$ 10 milhões. Ela está lesando o povo, o servidor. E essa Câmara tem o compromisso de fiscalizar. A prefeita tem que sair e eu não medirei esforços para tirar. Se ficar mais sete meses, pobre do povo de Carapebus”, vaticinou ao final dizendo que o CarapebusPrev irá falir se não for tomada uma providência urgente, com apoio da Justiça.

Sobre o áudio

Anselmo Prata falando do áudio que foi divulgado na mídia social local, declarou que sempre conversou de forma republicana e institucional com vereadores, funcionários da Câmara. “Se para muitos, essa atitude parece ser inadequada, tem que ser analisadas para verificar qual é o objetivo dessa ação. Se essa atitude veio para lesar, roubar, desviar recursos públicos da saúde, educação, ação social e servidores eu até concordaria. Mas se ela veio de encontro a beneficiar a população, a livrar de danos maiores eu não vejo problema nisso”.

Voltou a dizer que foi eleito não para ser presidente da Câmara e sim para ser vereador representante do povo. “E meu papel de presidente já foi cumprido há muito tempo. Está na história, está escrito. Em apenas um ano eu fiz aqui nessa casa, junto com a mesa diretora, o que não foi feito em 24 anos. E agora querem de forma covarde, traiçoeira tirar o cargo dos integrantes da mesa diretora”. Para Anselmo, isso não é um problema e assegurou que continuará defendendo a população, mesmo que tirem seu mandato.

“Não vou me intimidar com quadrilha implantada nesse município, porque eu estou vereador. E eu sou policial militar e quando fiz concurso para a PM me preparei para enfrentar quadrilheiro, bandidos, ladrões – tudo que estamos vivendo hoje dentro desse município – portanto eu não tenho medo de vocês. Não vão me intimidar. Vou continuar fazendo meu trabalho aqui. Como presidente ou vereador e se não for mais vereador, continuarei como cidadão, como policial militar que sou com muita honra. E usarei todas as armas – adequadas e inadequadas – como vocês quiserem analisar, para tirar vocês, cessar vocês de fazer o roubo que estão fazendo em Carapebus e do funcionalismo público.

Ainda em sua fala, Anselmo Prata mostrou admirado que vereadores antigos e atuais estarem apoiando os desvios e desmandos que o governo vem cometendo. “Eu não vou me rebaixar. Eu estaria muito preocupado se tivesse algum áudio dizendo que estou pedindo dinheiro para apoiar os desmandos da prefeita, ou cargos para apoiar os roubos desse governo, os desvios”. E relembrou que a prefeita está respondendo quinze processos abertos pelos ministérios públicos estadual e federal, ação popular. “Cuidado, um ônibus vai ser muito pouco para conduzir vocês presos".