Borginho fala dos atrasos e de novas nomeações municipais

por Tania Maria Garabini publicado 03/06/2020 13h36, última modificação 03/06/2020 13h36
Contrassenso administrativo coloca em risco finanças municipais

Marcelo Borginho detalhou que a portaria municipal de 23 de março desde ano foi publicada com a contratação de 20 pessoas em cargos comissionados. “Não consigo entender. Temos agentes da Defesa Civil com dois meses de salários atrasados. Funcionários concursados na mesma situação. A Cruz Vermelha com seu contrato atrasado, fazendo com que seus próprios diretores estejam no comércio pedindo embalagens para colocar a comida dos funcionários que trabalham nas barreiras”.

Borginho detalhou que a dívida trabalhista com o CarapebusPrev está na ordem de R$ 3,6 milhões; os contratos com a empresa de coleta de lixo e a Cruz Vermelha com repasses atrasados “e a prefeitura não para de contratar. A gente só tem a lamentar, porque não sabemos onde querem chegar. “Não sou contra a contratação. Mas não adianta contratar e não pagar os salários de todos. Nem de pagar o CarapebusPrev”.

“Não digam que não fiscalizamos. Isso não é verdade. Mandamos ofícios, requerimentos, entramos na Justiça, abrimos CPIs e a própria justiça se coloca contra essas nossas ações. Estamos cumprindo nosso dever. Se essa casa ficou omissa por mais de 20 anos, isso não ocorre mais”. E por fim lamentou a morte do servidor municipal e amigo Gegê, falecido na terça-feira.  Ele era funcionário da Secretaria de Serviços Públicos.