Deuty lamenta morte de amigo e pede esclarecimentos de gastos na Saúde

por Tania Maria Garabini publicado 13/05/2020 13h32, última modificação 13/05/2020 13h32
Hospital de campanha continua sem funcionar

O vereador e vice-presidente da Casa, Luciano Sardinha (Deuty) iniciou sua fala lamentando o falecimento de Joilson, ex funcionário da Câmara, amigo de várias pessoas e desejando os pêsames a seus familiares. “Há 40 dias nós perdemos um amigo morador em Ubás. Criou-se um pânico em Carapebus, porque achavam que tinha morrido de Coronavírus. E quando chegou os exames nada disso tinha acontecido”.

Salientou que mais uma vez o secretário de Saúde não foi à Câmara para fazer esclarecimentos. “Já vai fazer um mês que ele não vem dar satisfação à população e seus representantes. “No dia 4 do mês passados fizemos visita no hospital e nos falaram que as UTIs estavam prontas e em uma semana iriam montar o hospital de campanha. Voltamos no dia 28, eu, vereadores Borginho, Maicon, Anselmo e o diretor do hospital que informou que em três dias estaria inaugurando, já que prefeitura tinha comprado os equipamentos e cama. Já se passaram 15 dias e o hospital é um elefante branco”.

Indagou o que foi feito com o dinheiro enviado para o combate ao vírus.  “Se no sábado, Joilson estava com os sintomas e o resultado foi positivo, por que mandar o paciente para casa e continuar trabalhando em Macaé? No domingo, o homem voltou a sua residência e na madrugada retornou ao hospital com o problema e faleceu. “Então para que aquele hospital de campanha. Pergunto ao secretário do porque já que no começo da pandemia não tinha hospital de campanha e aparelho e e agora que tem tudo isso porque tem esse elefante branco, mas não tem leitos para atender pessoas doentes”. Relatou que os vereadores estão intervindo para que pacientes sejam transportados para outros hospitais, já que não recebem atendimento em Carapebus. Falou também da falta até de agulhas próprias para aplicação de soro na veia dos pacientes adultos. Para isso, as enfermeiras estão utilizando as de crianças.

“Não estamos aqui para fazer parte do quanto pior é melhor. Queremos esclarecimentos. Precisamos tem compaixão para com o próximo. Aprovamos uma lei que criou o fundo de previdência e a também a que determina que todo quinto dia útil a prefeita coloque o dinheiro. Ela está descontando da folha de pagamento e não está repassando para o fundo. Isso é apropriação indébita. É por isso que a CPI está sendo criada hoje. Quero que os vereadores que aprovaram a criação do fundo, votem na CPI.  Iremos fiscalizar até o último dia de nosso mandato. Se a prefeita depositar os R$ 3 milhões - que não é dela, é do servidor – a CPI se encerra”.

Ao final de sua fala, Deuty pediu para que seja colocado para funcionar o hospital de campanha. “Que não seja esse elefante branco. Já se passaram 45 dias e não funciona, gastando energia, gerador”. E questionou se o mesmo é doação ou é pago a empresa que o montou.