Falta de médico em UBS e Demissões em discussão na Câmara

por Tania Maria Garabini publicado 06/03/2020 13h51, última modificação 06/03/2020 13h51
Vereadores lembram que MP poderá requerer exonerações de servidores contratados

Durante a sessão deste dia 5 de março, a falta de médico em posto de saúde, possíveis demissões de contratados pela prefeitura, realização do concurso público da Câmara e outros assuntos foram os temas abordados. O primeiro vereador a fazer uso da palavra foi Maicon Pimentel que, relatou do excesso de paciente na UBS devido a falta de médico, resultando na seleção de apenas 20 pessoas que estavam à espera.

Ainda em sua fala reclamou da falta de guarda corpo na ponte do Caxanga, apesar dos ofícios e requerimentos feitos e aprovados pelos vereadores há vários anos. “A situação continua a mesma e é triste de se ver o município com um orçamento milionário, com uma boa arrecadação de royalties, como pudemos ver no mês passado, de R$ 3,8 milhões. Será que com esse dinheiro não pode gastar para fazer o guarda corpo. Se alguém cair quem irá arcar com as consequências? ”, indagou.

A vereadora Tânia Cabral desejou boa sorte a todos que farão o primeiro concurso público da Câmara de Vereadores. Salientou ela que em sua gestão assinou um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) para a realização de concurso e só não conseguiu realizar o mesmo devido a falta de tempo hábil.

O vereador Wagner Mello alertou para as novas contratações que a prefeitura que foram publicadas essa semana poderão comprometer ainda mais as finanças municipais correndo o risco de não haver recursos para o pagamento dos mesmos. Lembrou que a folha já excede o limite permitido por lei e o Ministério Público certamente entrará com a determinação de exoneração em massa. “E já estou alertando que ao acontecer a culpa será colocada na conta dos vereadores e não da prefeitura. Sabemos que já tem ação no MP para essa medida e nada foi feito. Tem pessoas sendo mandadas embora. É uma pena porque sabemos que as pessoas precisam do trabalho, para sustentar suas famílias.

Lembrou que em 2017, ele tentou trazer uma empresa que – se instalada – geraria centenas de empregos evitando assim que ficassem na dependência da prefeitura, mas não conseguiu apoio do Poder Executivo. O vereador Deuty – que presidiu a sessão deste dia 5 de março – em aparte, comentou que, há boatos que circulam nas escolas do município onde os vereadores seriam responsáveis pela não troca de carga horária dos professores. Ele informou que na verdade, existe a lei trabalhista onde a carga horária é de oito horas, definida no edital de concurso da categoria e que deve ser cumprida. “Se a prefeita quiser essa mudança, ela é que deverá apresentar projeto para ser aprovado na Câmara.

Aprovada

Foi aprovada, por unanimidade, que a sessão ordinária que aconteceria dia 10 seja transferida para dia 9 a partir das 18 horas. Na oportunidade, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher e do aniversário da cidade será realizada a entrega de títulos de cidadania e de moção de aplausos para dezenas de homenageados.

Outro requerimento aprovado foi a manutenção do sistema de iluminação do estádio local. A proposta é de autoria do vereador Deuty que salientou a necessidade desse serviço já que o local é amplamente utilizado pela comunidade para as práticas desportivas.